Tour Overview

“Alta, imensa, enigmática, a sua presença física é logo uma obsessão. Mas junta-se à perturbante realidade uma certeza ainda mais viva: a de todas as verdades locais emanarem dela. Há rios na Beira? Descem da Estrela. Há queijo na Beira ? Faz-se na Estrela. Há roupa na Beira? Tece-se na Estrela. Há vento na Beira? Sopra-o a Estrela. Há energia elétrica na Beira? Gera-se na Estrela. Tudo se cria nela, tudo mergulha as raízes no seu largo e materno seio. Ela comanda, bafeja, castiga e redime. Gelada e carrancuda, resta o que nasce sem a sua bênção; quente e desanuviada, a vida à sua volta abrolha e floresce. O Marão separa dois mundos — o minhoto e o transmontano. O Caldeirão, no pólo oposto de Portugal, imita-o como pode. Mas a Estrela não divide: concentra.”

Miguel Torga

1º Dia – Sabugueiro, Vale do Rossim, Manteigas, Torre

Continuamos a viagem pelas searas de centeio e lameiros, onde pastam as ovelhas. Perto das cascatas (de Fervença e Covão da Ursa), encontramos a aldeia mais alta de Portugal (1080 metros): o Sabugueiro.

Situado no coração da Serra da Estrela está o maior vale glaciar da Europa, o Vale do Rossim. Está inserido na Reserva Biogenética do Parque Natural da Serra da Estrela, A sua beleza é única e o seu valor científico e ambiental é enorme. É um local de extrema beleza formado por uma grande lagoa e que outrora já foi uma das melhores pastagens para os rebanhos de transumância. Aqui hoje podem-se praticar algumas atividades de lazer. O rapel, passeios pedestres e a canoagem entre outros.

Continuamos em direção a Manteigas onde faremos uma visita guiada em Manteigas à Burel Factory, um registo na história da Vila de Manteigas e dos lanifícios portugueses.

Após o almoço subimos em direção ao Covão da Metade e à Nave de Santo António. Aqui podemos ver o imenso vale glaciar até Manteigas.
Continuamos a subir e desta vez até ao ponto mais alto da serra, a Torre!

Tempo agora para descermos de regresso ao Sabugueiro com paragem na Lagoa Comprida

2º Dia – Piodão, Cabeça

Piódão, Cabeça

Integrada no programa de recuperação das Aldeias Históricas de Portugal e classificada como “imóvel de interesse público”, Piódão localiza-se na Serra do Açor, envolvida numa paisagem única. Os habitantes dedicam-se, sobretudo, à agricultura e à pastorícia, mas o turismo, nos últimos anos, tem sido o responsável pelo reviver desta povoação, contrariando a efetiva desertificação.

Disposta em anfiteatro, com as casas de paredes em xisto, as janelas pintadas de azul magrebino e os telhados em ardósia negra, a aldeia do Piódão é um tesouro. As casas, “ex-libris” da aldeia, compostas por dois pisos, o primeiro para habitação e o térreo para a recolha das alfaias, são protegidas por uma cruz de madeira, decorada com folhas de louro e de oliveira, que invoca a proteção de Santa Bárbara e guarda “o que vires e o que não vires”.

Do património edificado destacamos a Igreja Matriz, dedicada a Nossa Senhora da Conceição, que contrasta na cor, pois o exterior foi pintado de branco, e na tipologia com as outras igrejas beirãs, assemelhando-se às igrejas do sulA eira comunitária (lugar de seca e malha da colheita de cereais) e a fonte dos Algares (pequeno chafariz, com um arco ogival construído em xisto) são lugares a visitar.

A aldeia de Cabeça, localizada num morro granítico, está rodeada de socalcos irrigados por um complexo sistema de canais. Com cerca de 200 habitantes a atividade agrícola é feita com base em métodos tradicionais. Esta aldeia transforma-se, na época natalícia, num verdadeiro e genuíno presépio. As casas rústicas feitas de xisto constituem um verdadeiro ex-líbris da povoação. A Freguesia de Cabeça é conhecida pelas sopas caseiras feitas pela população. Convidamo-lo a experimentar a sopa de castanhas com lombo de porco ou a sopa de legumes à antiga.

Regresso ao Sabugueiro

3º Dia – Loriga, Alvoco da Serra

Na aldeia de Loriga, instalada num alongado esporão encaixada nos flancos do planalto superior da serra da Estrela, localiza-se a única praia fluvial situada num vale glaciar. A paisagem caracterizada pelos socalcos e a sua complexa rede de irrigação fazem parte do património histórico da aldeia. Loriga é uma das terras serranas mais formosas devido à sua extraordinária paisagem e localização geográfica.

Seguimos para Alvoco da Serra, localizada entre Loriga e Unhais da Serra. Os recursos naturais e a força dos homens fizeram desta povoação, até meados do século XVIII um importante centro de lanifícios. Possui um património artístico rico, principalmente em arte sacra (Igreja Matriz e capela de São Pedro).

Regresso a Lisboa.

[i] O percurso pode ser adaptado em função dos interesses manifestados

Tour Prices

Neste tour está incluido :

  • Transporte personalizado
  • Guia exclusivo
  • Recolha no seu hotel em Lisboa
  • Free wifi e água engarrafada
  • Visitas conforme programa

O que não está incluido: Almoços ou jantares, Despesas pessoais, Quaisquer outras atividades, bilhetes para palácios ou museus ou despesas não mencionadas em “neste tour está incluído”